O amor e suas diversas formas

O amor é um sentimento arrebatador, que nos faz mover montanhas para ficar perto do outro e está presente em diversas relações: na vida do casal, de pai para filho, entre os amigos e muito mais

Diz o ditado que amor é um idioma universal. E o sábio estava certo: dos países desenvolvidos às tribos aborígenes, quase todas das cerca de seis mil línguas catalogadas encontraram alguma forma de traduzir a palavra.

E a palavra amor é tão antiga quanto a própria humanidade. Os primeiros registros de poesias românticas são datados do Egito antigo, cerca de três mil anos atrás, quando os escribas egípcios escreviam textos comparando os amados - e seus corpos - aos prazeres de comidas afrodisíacas.

O fato de o conceito ter sido formulado há tanto tempo, em um país cujo conhecimento se espalhou para o mundo inteiro, fez com que a palavra "amor" nascesse em idomas e lugares diferentes.

Em português, por exemplo, "amor" vem do latim "amare", ou ainda, "amor",  com a mesma grafia, segundo o dicionário Priberam. Já no inglês, "love" se originou de pelo menos duas outras palavras: "lufu", do inglês antigo, e "lubo", do germânico.

Mas a gramática é apenas uma das formas de representar o amor. Desde que os homens começaram a contar histórias, o sentimento ganhou contornos literários e, até, religiosos - como na Grécia antiga.

coração
Getty Images
coração

Eros, o Cupido

Eros era considerado pelo povo grego o Deus do amor. Já os romanos o chamavam de Cupido (uma espécie de anjo, com asas, mas nem de longe tão romântico quanto poderia parecer). Segundo o poeta grego Hesíodo, em sua obra Teogonia, Eros descendia de Caos, uma divindade primordial, e era considerado uma energia positiva, capaz de unificar tudo o que estava separado. 

Com o passar dos anos, Eros tornou-se um integrante do Olimpo, o espaço onde ficavam todos os deuses gregos. Nascido da combinação entre Afrodite e Zeus, ele era dono de uma beleza fora do comum e atendia aos desehos de Afrodite, sempre pronto a disparar suas flechas do amor contra mortais e imortais, conforme determinações da sua mãe.

Eros sempre aparece nas imagens como um garoto com asas, de cabelos louros e aparência inocente. Ele é retratado como um jovem que não cresceu, o que pode simbolizar a juventude eterna do amor profundo. Ele aparece também com um arco e flecha e está sempre pronto a atingir as pessoas de forma certeira com suas flechas cheias de amor e paixão para fisgar os outros. Os alvos de Eros sempre estão na região do coração e do fígado.

Eros, o cupido é retratado sempre como um garotinho inocente e que nunca cresce
Reprodução/Pinterest
Eros, o cupido é retratado sempre como um garotinho inocente e que nunca cresce

Eros e Psiquê

A conhecida história da mitologia grega, Eros e Psiquê, é uma das mais bonitas de amor. Apesar de se casar com a amada, ele a proíbe de ver seu rosto para não ser visto nem amado como uma divinidade, mas sim como um mortal.

Certo dia, Psiquê aproveitou que seu amado dormia e acabou vendo seu rosto escondido. Ela ficou tão encantada com a beleza de Eros que o queimou com cera de vela. O deus, então, abandonou seu grande amor em retaliação.

Em algumas versões da história, Psiquê fica sem rumo. Em outras, ela chega a ser castigada por Afrodite, mãe de Eros, por não se conformar com a paixão do seu filho. Eros se arrepende, e implora a misericórdia de Zeus pela mulher, que torna Psiquê imortal, unindo o casal apaixonado.

Na história de Eros e Psique, o rapaz não deixa sua amada ver seu rosto
Reprodução/Pinterest
Na história de Eros e Psique, o rapaz não deixa sua amada ver seu rosto

Afrodite, a deusa do amor

Afrodite, mãe de Eros, é a deusa grega do amor, da beleza e da sexualidade. Ela foi responsável pela vida eterna, prazer e alegria.

Historiadores especulam que o culto à sua imagem na Grécia Antiga foi importado da Ásia, influenciado pelo culto de Astarte e Ishtar, também deusas do amor. Já na era romana, Afrodite tornou-se a influência e deu origem à sua equivalente romana, a deusa Vênus.

A deusa do amor nasceu  na ilha de Chipre, mas na história existem duas versões para seu nascimento.

Segundo a versão de Hesíodo, Afrodite nasceu de uma forma, no mínimo, incomum: após Cronos cortar os órgãos sexuais de Urano (seu pai) e jogá-los no mar, uma espuma branca formou-se em volta deles. Dela, nasceu Afrodite.

Já para Homero, na versão mais difundida, Afrodite era filha de Zeus (Deus dos deuses) e Dione (deusa da ninfas).

Afrodite, mãe de Eros, é conhecida como a deusa do amor
Reprodução/Pinterest
Afrodite, mãe de Eros, é conhecida como a deusa do amor

Apesar de Afrodite ter se casado com Hefesto (deus do fogo), ela teve inúmeros amantes, entre eles deuses e homens mortais. Entre todas suas grande aventuras, vários filhos foram gerados.

Entre eles estão Ares (deus da Guerra), Eros (o Cupido), Anteros, Deimos, Fobos, Harmonia, Adrestia, Himeros e Pothos. Já com Hermes, o deus mensageiro, ela gerou o deus Hermafrodito (mistura dos nomes dos pais).  Além da beleza dos pais, ele tinha como característica os órgãos sexuais masculino e feminino.

A bela também gerou Himeneu (deus do casamento), fruto de sua aventura com Apolo. Com Dionísio, Deus do prazer, das festas e do vinho, Afrodite gerou Príapo, o deus da felicidade, que tinha grandes genitálias.

Afrodite também teve um filho do mortal Anquises, que recebeu o nome de Enéias. Ele foi um herói da Guerra de Tróia e seduziu mortais como Adónis, Faetonte e Cíniras.

Apesar de ser conhecida como a deusa do amor, mas era muito vingativa e não tinha piedade de seus inimigos. Afrodite acumulou muitos rivais, como as deusas Hera e Atena. As brigas com as duas deu origem à Guerra de Tróia.

Vários artistas (pintores e escritores), já na época da Renascimento, retrataram Afrodite. Uma das obras mais famosas é de Sandro Botticelli, “O nascimento de Vênus”.

Homosexualidade

No último século, o conceito de amor se ampliou na sociedade. Se antes ele se resumia ao relacionamento entre homem e mulher, agora tem diversas faces diferentes - como a homossexualidade.

O tema ganhou bastante notoreidade no Brasil a partir do momento em que diversas novelas da televisão aberta decidiram abordar o assunto. Em julho, por exemplo, "Liberdade, liberdade", da emissora Globo, mostrou a primeira cena de sexo homossexual da TV nacional.

Mas, apesar do recente movimento social para os direitos de homossexuais serem reconhecidos, o relacionamento entre pessoas do mesmo sexo não é algo novo. 

O amor homossexual foi explorado na Grécia antiga por diversos autores da antiguidade clássica, como Platão. Nessa época, membros do mesmo sexo, tanto adultos quanto adolescentes, mantinham relação sexual íntima - conhecida como pederastia. 

Os casamentos heterossexuais, da mesma maneira, eram arranjados de acordo com a idade dos casais. Homens na faixa dos 30 anos de idade acabavam se casando com garotas no início na adolescência. Já as relações homossexuais envolvendo mulheres na sociedade grega não são conhecidas com precisão.

A pederastria era conhecida como a relação entre dois homens no qual um era mais velho e outro, adolescente. Em Atenas, o mais velho era chamado de "erastes" e tinha o papel de educar e ser um exemplo para seu parceiro, conhecido como "eromenos".

Mesmo assim, uma parcela da sociedade (no Brasil e em outros países) não aceita a união entre pessoas do mesmo sexo, influenciada pelas religiões, que pregam a heterossexualidade. 

Sua argumentação é baseada em trechos da Bíblia. Em Gênesis, está escrito que "Deus criou o sexo para ser feito apenas entre um homem e uma mulher, e apenas se forem casados".

Mas, apesar de desaprovar as relações homossexuais, ela diz oficialmente não apoiar a homofobia (preconceito contra homossexuais) ou o ódio por homossexuais. 

Homofobia

Com as diversas opções sexuais que existem, apareceu o preconceito contra os homossexuais: a homofobia. Quem pratica esse ato desrespeita gays e lésbicas apenas por uma opção. Alguns casos de homofóbicos que batem em homossexuais nas ruas acabam aparecendo na mídia e o assunto vem sempre sendo abordado.

Pela lei, a homofobia é proibida no Brasil. Alguns artigos da Constituição de 1988 protegem essas pessoas, que fazem parte de uma minoria no país. O Estatuto da Criança e do Adolescente defende essas pessoas contra essa descriminação que, infelizmente é uma realidade

Para aqueles que cometem esse tipo de crime, as punições variam desde um aviso, até uma negação de permissão para que o intrator da lei continue atuando. 

Pansexualidade

A ampliação do conceito de amor, porém, não se restringe ao sexo da pessoa. O gênero ao qual ela se considera perceber também influencia com quem vai se relacionar. Com isso, surgiu o pansexualidade.

O dicionário diz que a pansexualidade é uma "teoria cujos preceitos afirmam que todas as ações, pensamentos ou atividades psíquicas de um indivíduo estão fundamentadas na sexualidade ou no instinto sexual". Ou seja, a pansexualidade é caracterizada pela atração sexual ou amorosa entre pessoas, independentemente do sexo ou identidade de gênero.

Os pansexuais são capazes de sentir atração tanto por pessoas que se identificam como homem, mulher e até mesmo com pessoas se identificam como intersexo, terceiro gênero, andrógino, transexual ou qualquer uma das milhares identidades sexuais e de gênero que existe.

Bissexualidade

Já os bissexuais sentem atração por pelo menos dois gêneros e isso inclui todos os termos que não sejam uma monossexualidade. 

Isso não significa que a pessoa tenha necessariamente atração por homens e mulheres, não inclui todos os gêneros não binários e nem sempre se refere a atrações simultâneas. É, frequentemente, usada como "termo guarda-chuva" para incluir outras não monossexualidades.

O amor homossexual já existe desde os tempos da Grécia antiga
Getty Images
O amor homossexual já existe desde os tempos da Grécia antiga

Poliamor

O poliamor é uma forma de relacionamento em que alguém ama pelo menos duas pessoas. Nessa relação, os envolvidos abrem mão da exclusividade. Para a psicanalista e escritora Regina Navarro Lins, o poliamor é uma tendência para o futuro próximo. 

A ideia de um casamento aberto acabou se tornando mais comum nos anos 60 e 70 e foi uma consequência do surgimento da pílula anticoncepcional, que possibilitou o sexo apenas pelo prazer, e não só pela reprodução.

Segundo Regina, os relacionamentos atuais não atendem às necessidades de grande parte dos casais tradicionais. Para ela, isso acontece pois vivemos um "mito" do amor romântico, em que uma pessoa só tem desejo na outra.

Já na opinião do psicoterapeuta e autor Flávio Gikovate, a ideia de um casamento aberto não é uma relação cada vez mais comum entre os casais. "A infidelidade exclusivamente sexual continua não sendo interessante para a maioria das mulheres, de modo que muitas acabam se envolvendo sentimentalmente", opina.

Para muitos especialistas da psicologia, a sociedade brasileira passa por um momento de reflexão sobre as diferentes crenças e um processo de vencer tabus e preconceitos. A psicanalista Sandra Teixeira conta que, em seu consultório adolescentes, homens e mulheres revelam estar ligados afetivamente ou até mesmo apaixonados por mais de uma pessoa, mesmo assim, sentem-se na obrigação de optar por apenas uma dessas pessoas.

Segundo ela,  esse conflito ainda existe e alguns parceiros aceitam, mas outros ainda não conseguem. "Nessa incerteza, o melhor caminho (para eles) é esconder", revela ela, que ainda conta que a liberdade sexual é mais permitida por parte dos homens.

A psicóloga e sexóloga Priscila Junqueira conta que o Poliamor existe desde a década de 30, mas nessa época o assunto não era tratado de maneira tão aberta como é hoje em dia. "O espaço e aceitação que o assunto vem ganhando proporcionam mais liberdade para que as pessoas assumam o Poliamor de maneira mais autêntica.  Junqueira acredita que esse tipo de relacionamento vai crescer cada dia mai, já que possibilita que as pessoas reflitam sobre a sexualidade de maneira mais livre. "Dessa forma, a tendência é que aumente o número de adeptos. Afinal, muitas pessoas ainda não assumem pelo fato de terem medo de encarar algum tipo de pré conceito”, afirma ela.

Para a especialista, o Poliamor reforça a tese de que algumas pessoas possuem o desejo de variedade e capacidade de se envolver sexualmente e afetivamente com mais de um parceiro (a).

Dentro deste universo, há algumas modalidades, como: Triângulo Aberto, Triângulo Fechado, Grupo de 4 (onde duas pessoas se relacionam entre si e os demais com apenas um parceiro) e também um grupo de 4 pessoas ou mais em que todos se relacionam entre si. Geralmente, o Poliamor é adepto por pessoas que possuem autonomia e liberdade em relação à vida sexual e que acreditam que é possível amar mais de uma pessoa.

Ainda de acordo com a especialista, é importante esclarecer que há outros tipos de relações que acabam sendo confundidas com o Poliamor. A Poligamia, por exemplo, que é o casamento com mais de uma pessoa do mesmo gênero e o Relacionamento Aberto, que consiste em manter relações sexuais com outras pessoas além do parceiro fixo com pouco ou nenhum vínculo afetivo. Neste caso, o interesse pode ser totalmente sexual, seguindo princípios opostos ao do Poliamor.

Para muitos, a ideia de amar duas pessoas ou mais não existe
Divulgação
Para muitos, a ideia de amar duas pessoas ou mais não existe

O amor

Quantas poesias e músicas já não falaram de amor? Quantas noites em claro você já não passou por conta desse sentimento? E o que você faria por um grande amor? As respostas para essas perguntas são praticamente infinitas, mas apontam um caminho: esse tal amor está presente em todos os aspectos das nossas vidas. 

Mas antes de entender tudo sobre amor, precisamos saber sobre os sentimentos, que é o que qualquer ser humano é capaz de sentir diante das situações. Por exemplo, medo , ciúmes , raiva , ódio , paixão , alegria , entre outros, inclusive o amor.

Segundo a coach de dida e carreira Ana Lisboa, para a filosofia, o amor se dá não só pelo objeto, mas também pela busca do que se falta ou pelo fato de ser preenchido um vazio. Então, amar significa buscar no outro a satisfação das carências emocionais e espirituais. 

Quando se fala em amor, é comum pensarmos naquele sentimento que um homem e uma mulher - ou pessoas do mesmo sexo - sentem quando formam um casal, mas  uma pessoa é capaz de amar diversas coisas na vida de diferentes formas e com intensidades distintas. Além disso, existem incontáveis tipos de sentimentos: amor entre seus familiares, amigos, pelo seu parceiro, por você mesmo e até algo impossível. 

Uma pessoa pode ter um amor imensúravel pelo seu animal de estimação, por um objeto, um lugar, uma profissão. Podemos amar qualquer coisa no mundo. Podemos amar muito ou pouco. Os mais intensos são capazes de até mesmo de dar a vida por aquilo que ama.

Beijos e abraços marcam o amor
Pinterest/Ashton Bates
Beijos e abraços marcam o amor

Dicionário

No dicionário da língua portuguesa, a palavra amor está definida como: 1. Um sentimento que predispõe a desejar o bem de alguém; 2. Sentimento de afeto ou extrema dedicação; apego; 3 Sentimento que nos impele para o objeto dos nossos desejos; atração; paixão; 4. Afeto; inclinação; 5. Relação amorosa; aventura; 6. Objeto da afeição; 7. Adoração; veneração; devoção.

Bíblia

Há quem diga que a bíblia é uma declaração de amor. É como se fosse uma carta de Deus para o povo pois nela é relatada a essência cristã de amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo.

“Aquele que não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor” (1 Jo 4-8).

O neurocientista Aristides Brito conta que, como já sabemos, existem grandes diferenças entre os vários tipos de amor, principalmente quando analisado pela neurociência. "O Sistema Límbico, se transforma de acordo com os estímulos internos e externos e produz neurotransmissores diferentes em cada uma das situações, o que podemos diferenciar em linhas gerais.

Veja alguns vesículos de amor na bíblia:

O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. 
1 Coríntios 13:4-7

Nem muitas águas conseguem apagar o amor; os rios não conseguem levá-lo na correnteza. Se alguém oferecesse todas as riquezas da sua casa para adquirir o amor, seria totalmente desprezado.
Cânticos 8:7

Nisto conhecemos o que é o amor: Jesus Cristo deu a sua vida por nós, e devemos dar a nossa vida por nossos irmãos. Se alguém tiver recursos materiais e, vendo seu irmão em necessidade, não se compadecer dele, como pode permanecer nele o amor de Deus? Filhinhos, não amemos de palavra nem de boca, mas em ação e em verdade.
1 João 3:16-18

O amor deve ser sincero. Odeiem o que é mau; apeguem-se ao que é bom. Dediquem-se uns aos outros com amor fraternal. Prefiram dar honra aos outros mais do que a vocês.
Romanos 12:9-10

Nós amamos porque ele nos amou primeiro. Se alguém afirmar: "Eu amo a Deus", mas odiar seu irmão, é mentiroso, pois quem não ama seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê.
1 João 4:19-20

Respondeu Jesus: " 'Ame o Senhor, o seu Deus de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todo o seu entendimento'. Este é o primeiro e maior mandamento. E o segundo é semelhante a ele: 'Ame o seu próximo como a si mesmo'.
Mateus 22:37-39

via GIPHY

Coração

Simbolicamente o amor está ligado ao coração, tanto que este se tornou o grande símbolo do sentimento. Historicamente dizem que no órgão mais importante do corpo humano está a origeem do amor. Quem nunca ouviu falar que pessoas boas têm um coração grande ou que pessoas ruins não têm coração? É muito comum.

Apesar disso, hoje sabemos que a base de qualquer comportamento que nós temos, sentimentos, emoções ou pensamentos, tem origem do nosso cérebro. O que pode acontecer é que qualquer experiência que acabe gerando muita emoção, afeta o coração. 

No entando, a imagem do coração que hoje conhecemos como o símbolo do amor, é diferente do órgão do nosso corpo.

Aliança

Quando um homem e uma mulher estão noivos, costumam usar uma aliança no dedo anular da mão direito. A explicação para isso é que antigamente as pessoas acreditavam que nesse dedo tem uma veia com ligação direta para o coração.

Quando o casal passa de noivos para casados, a aliança vai para o mesmo dedo, só que da mão esquerda e de novo a explicação está relacionada com o coração: as pessoas acreditam que isso se deve ao fato da mão esquerda estar mais perto do coração.

Ciúmes

Quando duas pessoas se envolvem e o amor passa a existir nessa relação, é comum também que apareça alguns sentimentos que podem acabar fazendo mal para o romance. O principal deles é o ciúmes. Esse sentimento relacionado a possessividade pode fazer com que um invada o espaço do outro e ao longo do tempo vai gerar muitos problemas.

Alguns especialistas explicam que quando há amor é normal que exista o ciúmes.  O psicólogo e psicanalista Roberto Torres Junior diz que  o ciúme é um dos fatores que acabam muitos relacionamentos e que isso acontece por falta de confiança no parceiro.

“Quando a coisa começa a avançar os limites, ou seja, se começa a querer seguir o outro, mexer no celular, ler e-mails é algo preocupante", explica o especialista.

O ciúmes pode também acabar em tragédia quando é de uma maneira incontrolável e em um nível muito elevado. Diversos casos ficam conhecidos na televisão, entre eles o de Eloá Pimental, sequestrada e assassinada por seu ex-namorado, Lindemberg que, possessivo e ciumento não aceitava o fim do namoro. 

Tudo sobre o amor: o amor nada mais é do que um sentimento
Reprodução/Pinterest
Tudo sobre o amor: o amor nada mais é do que um sentimento

Amor de família

O amor entre familiares é o primeiro amor que o ser humano se depara. Antes mesmo de nascer, uma mãe ou um pai já tem um sentimento pelo filho que para muitos é incondicional.

Falando em amor de mãe , este é o mais forte que exise entre duas pessoas pelo fato do laço que as os dois criam antes mesmo de se conhecerem.

Já o amor entre irmãos, pais e filhos, avós e outros membros da família acontecem por conta da aproximação que existe entre uma família.

Segundo a respecialista em desenvolvimento infantil, psicopedagoga e fonoaudiologa, Sheila Leal, a relação de amor entre familiares é muito real e intimista, mas que nem sempre os pais são amor ao seus filhos como é pensado. "Vale lembrar que para existir amor, esses pais precisam ser amor em um primeiro momento. Então, para dar esse amor, eu preciso sentir e eu preciso ser um espaço de amor", explica.

Ainda segundo ela, quando uma criança nasce, muitas expectativsa são depositadas nela e é como se ela já tivesse toda a perfeição do mundo. "Ela não pode ter problema, muitas vezes a família já idealiza que ela vai ser um médico ou um dentista e quando alguma coisa acontece dentro dessa trajetória, vem a culpa ou esse amor acaba", completa.

Sheila explica que os pais devem estar sempre presentes. "Eu digo que é um amor que sempre cresce, aumenta a cada dia, mas enquanto pais precisamos pensar que esse amor também é limite, que esse amor tem algumas questões importantes para serem tratadas".

O amor entre a família é o primeiro em que um ser humano se depara
Edu Cesar
O amor entre a família é o primeiro em que um ser humano se depara

Amor de amigos

A amizade entre duas pessoas acontece quando elas se identificam e por isso se aproximam. 

O amor dos dois amigos faz com que os dois mantenham uma relação que não existe uma paixão, mas tem o companheirismo e um costuma de um procurar o outro em todos os momentos da vida.

Nesse tipo de amor, não precisa existir uma fidelidade e os dois não precisam se ver todos os dias. Pelo contrário. Dizem que uma amizade verdadeira dura mesmo com longas distâncias e tempos sem se ver.

Para Aristides, o amor entre amigos é algo mais relacionado com o afeto e acaba deixando um pouco a intensidade, tão presente em alguns sentimentos, de lado. 

"Neste tipo de relação não há produção de oxitocina (hormônio da felicidade), por exemplo, já que não envolve a intensidade da paixão", explica ele.

Amor de namorados ou marido e mulher

O amor entre namorados talvez seja o mais bonito entre os amores .  Pelo menos é o primeiro tipo que nos vem a cabeça quando falamos sobre o sentimento.

Duas pessoas que não têm o mesmo sangue e que se conheceram em algum momento da vida, decidem estar juntos por livre e espontânea vontade.

Nessa relação existe o companheirismo , o carinho e a fidelidade e é o mais bonito porque desse amor nascem outros.

Para o neurocientista, esse tipo de amor, principalmente em sua fase inicial, onde o casal acaba de inicial um relacionamento, há a produção de dopimina, que é responsável pela sensação de felicidade. Além disso, as pessoas podem passar a mudar sua respiração, seu paladar, o sono e até na sua agitação.

"As pessoas apaixonadas normalmente dormem mal, o cérebro fica mais agitado. Isso acontece também no amor a primeira vista", relata.

Amor próprio

O amor próprio, como o nome diz, é o amor que uma pessoa sente por si mesmo.  

Depois que começamos a nos envolver com outras pessoas e conforme a vida vai passando, vamos nos conhecendo melhor e começamos a nos amar.

Passamos a ver todo o valor que temos e entendemos que nossa felicidade depende apenas de nós mesmo. Muitos dizem que para amar alguém, antes precisamos nos amar e nos dar o devido valor que temos.

Segundo o professor e pesquisador em saúde quântica, Wallace Lima, a qualidade do nosso amor ao próximo deve ser similar ao amor que devotamos a nós mesmos. "A primeira coisa que nós precisamos cuidar é do amor por nós mesmos, porque como nós vamos amar uma outra pessoa, se nós não nos amamos? Há uma relação direta entre o amor ao outro e o amor que devotamos a nós mesmos", explica ele.

Ainda segundo o especialista, a baixa auto estima das pessoas é reflexo de não ter amor próprio. "Nós vivemos em uma sociedade onde o índice de depressão é gritante. É chamada a doença do século. As pessoas estão muito distântes de um significado interior", continua.

Por isso,  nós precisamos primeiro cuidar de nós, parar de nos comparar com outras pessoas e nos focarmos em ser o melhor para nós mesmos.

O coração acabou se tornando o grande símbolo do amor
Thinkstock/Getty Images
O coração acabou se tornando o grande símbolo do amor

Amor platônico

Esse tipo de amor se aproxima muito de todos os outros, porém nada mais é do que uma "fantasia".

Nesse caso, amar pode significar admirar tanto algo ou alguém, que a pessoa acaba confundindo isso com amor.

Isso pode acontecer por um fã que admira muito seu ídolo, ou uma jovem garota que se apaixona por aquele amigo da irmã mais velha. 

Normalmente, esse tipo de amor não é correspondido, o que pode gerar gerar grandes dificuldade emocionais, inclusive na auto estima, segundo Brito. "Quimicamente falando, a produção de oxitocina interfere no humor e deixa a pessoa mais ficcionada na outra e dá uma sensação de desconforto".

Amor pelo trabalho

É comum encontrarmos pessoas apaixonadas pelo que fazem. Segundo a psicóloga Ana Lisboa isso acontece porque o trabalho é uma extensão do que essas pessoas fazem da vida delas, do próprio bem estar que elas buscam.

"Se a gente for transferir isso para sentidos profissionais, a gente entende que essas pessoas podem encontrar através da busca desse prazer profissional, um sentido pra vida dela", explica a especialista. 

Amor incondicional

O amor incondicional é conhecido por ser um afeto sem qualquer limitação. Esse é aquele amor completo e absoluto em que a pessoa que ama não espera nada em troca.

Aqueles que amam incondicionalmente, podem ter esse amor completo por qualquer coisa, desde um objeto até seu namorado, marido ou família.

Já o especialista em neurociência afirma considerar o amor incondicional a mais pura forma de amar. "Embora uma paixão mexa com todo o organismo, esse amor é um amor que não cobra nada em troca, e na prática o cérero produz na certa cada um dos neurotransmissores (hormônios responsáveis pelas sensações) de forma que seja um amor leve, mas intenso", conta.

Amor a primeira vista

Como o próprio nome já diz, o amor a primeira vista acontece quando uma pessoa olha para outra, ou para alguém e imediatamente já fica encatada e apaixonada.

Para Aristides, esse tipo de amor é pura intensidade. "É quando os estímulos externos geram produção de dopamina, noradrenalina (neurotransmissores) com intensidade que faz a pessoa soar, e se sentir totalmente irracional", finaliza. 

O amor a primeira vista é pura intensidade, segundo especialista
Thinkstock
O amor a primeira vista é pura intensidade, segundo especialista

Filmes

A lista de filmes que retraram o amor é imensa. Esse gênero costuma tocar o coração das pessoas e é o favorito para muitos. Quem nunca chorou ao assistir "P.S. Eu te amo", "Um amor para recordar" ou "Uma linda mulher"?

O romance é um gênero de filme que nunca sai de moda. Filmes mais recentes que retratam histórias de amor fizeram muito sucesso e foram recordes nas bilheterias. Um exemplo é a Saga Crepúsculo, que conta com 5 filmes em sua história. Na trama, a mocinha, Bella, acaba de apaixonando por um vampiro. Apesar do amor proíbido e complicado entre o casal, os dois "viveram felizes para sempre".

Além desses filmes, existem muitos clássicos no cinema mundial que marcaram a vida das pessoas com lindas histórias de amor. 

Quem nunca ouviu falar em Romeu e Julieta? O filme, baseado na obra de William Shakespeare, trata de um casal que vive um amor proibído. Isso porque os dois nasceram em famílias rivais e que disputam poderes.

Enquanto os pais de Julieta tentam fazer com que ela case com o filho do governador, ela conhece Romeu e os dois se apaixonam. Entre muitos conflitos, o filme acaba em tragédia: por achar que sua amada está morta, Romeu se mata tomando um frasco de veneno. Por sua vez, Julieta, ao ver o amado morto, tira sua própria vida com um punhal.

Outro clássico dos cinemas que também retrata uma história de amor com final trágico é o Titanic, filme baseado em fatos reais. No filme, Jack e Rose se conhecem ao embarcarem em um navio.

Enquanto Jack viaja na classe economica do Titanic, Rose, noiva de um milionário, curte os melhores lugares do navio. Os dois acabam se apaixonando e começam a se encontrar escondidos.

No final, o navio afunda e Jack, que tentou e conseguiu salvar a vida de Rose de todas as formas, acaba morrendo congelado nas águas frias do oceano. 

Frases famosas sobre amor

Não há ninguém, mesmo sem cultura, que não se torne poeta quando o amor toma conta dele. (Platão)

O amor não se vê com os olhos mas com o coração. (William Shakespeare)

É um amor pobre aquele que se pode medir. (William Shakespeare)

O amor perfeito é a mais bela das frustrações, pois está acima do que se pode exprimir. (Charles Chaplin)

O amor é o estado no qual os homens têm mais probabilidades de ver as coisas tal como elas não são. (Friedrich Nietzsche)

Purifica o teu coração antes de permitires que o amor entre nele, pois até o mel mais doce azeda num recipiente sujo. (Pitágoras)

Quando duas pessoas fazem amor, não estão apenas fazendo amor, estão dando corda ao relógio do mundo. (Mário Quintana)

Deus, para a felicidade do homem, inventou a fé e o amor. O Diabo, invejoso, fez o homem confundir fé com religião e amor com casamento. (Machado de Assis)

As mais lindas palavras de amor são ditas no silêncio de um olhar. (Leonardo da Vinci)

Deve-se temer mais o amor de uma mulher, do que o ódio de um homem. (Sócrates)

Amai, porque nada melhor para a saúde que um amor correspondido. (Vinicius de Moraes)

Nós nascemos sozinhos, vivemos sozinhos e morremos sozinhos. Somente através do amor e das amizades é que podemos criar a ilusão, durante um momento, de que não estamos sozinhos. (Orson Welles)

Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo? (Fernando Pessoa)

Quando duas pessoas fazem amor, não estão apenas fazendo amor. Estão dando corda ao relógio do mundo. (Mário Quintana)

O amor revela as qualidades sublimes e ocultas do que ama, - o que nele há de raro, de excepcional: nesse aspecto facilmente engana quanto ao que nele há de habitual. (Friedrich Nietzsche)

É errado pensar que o amor vem do companheirismo de longo tempo ou do cortejo perseverante. O amor é filho da afinidade espiritual e a menos que esta afinidade seja criada em um instante, ela não será criada em anos, ou mesmo em gerações. (Khalil Gibran)

Todas as notícias sobre Amor